quarta-feira, 17 de outubro de 2012

A Cebola




A cebola tem um papel quase omnipresente na nossa cozinha. É difícil imaginar qualquer confecção que não tenha nela o seu ponto de partida pois, desde sopas a refogados e em tudo o que daí advém, a cebola é figura central.
Mudando de cenário, a cebola foi um dos primeiros “suplementos” desportivos da história. Não havia atleta grego que entrasse em acção nos Jogos Olímpicos sem beber sumo de cebola ou até esfregá-la no corpo. Foi esta mesma pungência aromática da cebola que fez dela um alimento bastante apreciado pelas populações mais carenciadas, uma vez que se constituía como uma forma barata de dar sabor aos cozinhados.
Não são raros os exemplos de alimentos que apresentam associações curiosas entre a sua anatomia e os seus efeitos na saúde. No caso da cebola, a sua estrutura em camadas transporta-nos para o seu potencial de renovação, o que levou, aliás, os egípcios a contemplarem-na como fonte de vida eterna.
Não dará vida eterna certamente, mas é certo que a cebola tem muitas propriedades passíveis de melhorar a nossa qualidade de vida, sendo que a última delas - e provavelmente a menos conhecida - passa pelo efeito benéfico na densidade mineral óssea em mulheres, quer antes quer após a menopausa.
Um composto organossulfurado da cebola, de nome impronunciável, tem sido assim associado a uma diminuição de mais de 20% do risco de fractura da anca em mulheres. É nestes compostos organossulfurados, tal como na sua generosa quantidade de flavonóides dos quais se destaca a quercetina, que se alicerça o potencial promotor da saúde da cebola, uma vez que não é uma grande fonte de vitaminas e minerais, à excepção da vitamina C.
Assim, a conjugação de todos estes componentes na cebola concentra um grande papel protector para alguns tipos de cancro (particularmente os do sistema digestivo, como o de estômago e de cólon), e doenças cardiovasculares, quer pela diminuição dos níveis de colesterol e triglicerídeos, quer pelas suas propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. Aliás, a versatilidade que a cebola tem na nossa cozinha faz dela uma excelente fonte de antioxidantes, não porque seja particularmente rica nos mesmos, mas sim pelo seu consumo quase omnipresente.
Acreditam que a cebola que usamos para tantos e tão bons cozinhados ... é também um milagroso remédio para a tosse.

Se estiver com tosse pode cortar uma cebola crua para uma taça com água (não precisamos de cobrir a cebola toda) e pormos perto de nós que a tosse pára ou acalma drasticamente em alguns minutos. Fica um cheirinho desagradável pela casa mas entre dormir sem tosse ou cheirar menos bem... dormir sem tosse!!!

Assim, não será necessário recorrer ao cliché de que as cebolas são de comer e chorar por mais, para constatar que estas lágrimas diárias são as mais saudáveis que se podem obter.

Sem comentários:

Enviar um comentário